Domingo, 16 de Dezembro de 2018
Home Notícias

Alfaiataria sob medida por meio de Inteligência Artificial? Sim!

19/09/2018 505 0
Alfaiataria sob medida por meio de Inteligência Artificial? Sim!

Por mais incrível que pareça, a London College of Fashion está criando designers com alfaiataria sob medida e inteligência artificial. A IA da Microsoft parece estar entrando em uma nova era repleta de possibilidade.

Imagine fazer compras em uma boutique de realidade mista repleta de roupas luxuosas, mas sem loja física. Ou atualizar suas roupas com um assistente digital de estilo que conhece seu guarda-roupa e diz a você o que comprar. Ou usar uma camisa rastreável que ajuda designers a seguir o ciclo de vida da peça para criar produtos mais sustentáveis.

Essas ideias tratam de problemas do mundo real relacionados à moda, desde problemas de varejo de tijolo e cimento até a sustentabilidade na produção de roupas. Mas elas vêm de estudantes do London College of Fashion, uma prestigiosa escola que ensina a futuros designers e líderes na área de moda a romper ideais da indústria com habilidades tradicionais e digitais. A escola oferece de tudo, desde cursos artesanais em calçados e alfaiataria sob medida até pesquisas avançadas em efeitos 3D e tecnologia vestível.

Estudantes do London College of Fashion (da esquerda para a direita) Hsuan Wan, Anna Sarah Richards, Sam Llewellyn e Diana Canghizer trabalham no projeto Didi com Internet das Coisas Azure e fio rastreável.

“Não podemos ignorar a maneira como o digital afetou a vida cotidiana e mudou completamente como designers, marcas e varejistas se envolvem com os consumidores”, diz Matthew Drinkwater, chefe da Fashion Innovation Agency, organização da escola para o uso e o ensino de tecnologias emergentes.

“Precisamos preparar nossos alunos para um mundo que está mudando em um ritmo mais rápido do que qualquer outro ponto que possamos lembrar.”

Com o início de um novo ano letivo e o turbilhão das semanas de moda de New York e de Londres este mês, Drinkwater está animado com a promessa criativa das novas tecnologias: prototipagem 3D para reduzir o desperdício, realidade mista e virtual para revitalizar o varejo, inteligência artificial para identificar as demandas dos consumidores.

No início deste ano, ele e o London College of Fashion trabalharam com a Microsoft para criar um programa de incubadora focado na inovação dos alunos em três áreas: realidade mista, inteligência artificial (IA) e Internet das Coisas (IoT).

Durante três meses, 30 estudantes de diferentes disciplinas trabalharam com especialistas da Microsoft e mentores de moda para desenvolver protótipos com o “Future of Fashion Incubator”. Eles tiveram experiência prática com os recursos do Microsoft HoloLens e do Azure em soluções baseadas em IA, IoT e orientadas a dados. Esses estudantes receberam feedback de proeminentes especialistas do setor, da designer de sustentabilidade de Londres, Charli Cohen, à especialista em moda de Nova York, Natasha Franck, fundadora e CEO da Eon, um coletivo de “moda circular” para aluguel de roupas da moda.

Em junho, os alunos apresentaram seus projetos em um show comemorativo.

Os estudantes do London College of Fashion apresentam o projeto Augmenta antes de um painel de embaixadores da indústria.

“Eles estavam completamente fora de si com alegria”, diz Peter Hill, gerente técnico do Digital Learning Lab, que hospedou a incubadora. “Muitos disseram que o programa foi a melhor coisa que fizeram na universidade. Ele cumpriu uma enorme demanda por entendimento de como a tecnologia pode mudar a indústria.”

Os projetos dos alunos incluíam um assistente de estilo que examinava seu guarda-roupa com visão computacional e dava conselhos sobre o que e onde comprar com o Azure Machine Learning. Outro projeto usou IA para classificar imagens ao vivo de pessoas e suas roupas — mulheres de terno, por exemplo, ou homens de shorts — perto de um sinal digital. O sinal então exibia anúncios segmentados com base em quem estava por perto.

O projeto DiDi: Data by Design usou a IoT Azure e um chip de identificação por radiofrequência para ajudar os designers a rastrear dados sobre o desempenho de trajes em diferentes condições climáticas e atividades para criar roupas mais duráveis e úteis.

A estudante do London College of Fashion, Damara Inglês, apresenta o projeto Hololux de seu grupo com HoloLens em um evento da Future of Fashion Incubator.

“Apresentar seu trabalho, que você passou bastante tempo criando foi muito gratificante”, diz a estudante de moda Anna Richards, membro do grupo DiDi. “Eu realmente amei a atmosfera e conheci pessoas da indústria que eu não conheceria de outra forma.”

Drinkwater diz que a escola quer repetir o programa da incubadora, cujos elementos-chave incluem experiência prática e acesso a especialistas. “Trabalhar diretamente com a Microsoft fez com que parecesse real para os alunos”, diz ele.

“Eles sentiram que estavam genuinamente fazendo a diferença na indústria e encontrando soluções para problemas da vida real.”

Com a tecnologia transformando todos os aspectos da moda — desde como fazer e mostrar coleções para vender até como engajar com os clientes —Drinkwater tem trabalhado duro para explorar novas ideias. Em fevereiro, sua Fashion Innovation Agency ajudou a criar um deslumbrante reality show de realidade aumentada na London Fashion Week. E, no ano passado, ele desenvolveu um sistema de fotogrametria para exibir produtos em 3D online.

“No London College of Fashion, é imensamente vital que reduzamos a distância entre moda e tecnologia e apoiemos uma nova geração de designers e empresários que entendam novas tecnologias”, diz Drinkwater.

“Vai afetar tudo o que eles fazem.”

Fonte/Reprodução: Microsoft

Compartilhe:

Comentários: