Domingo, 21 de Abril de 2019
Home Aplicativos

Análise completa do Microsoft Edge baseado no Projeto Chromium

08/04/2019 1548 0
Análise completa do Microsoft Edge baseado no Projeto Chromium

Hoje (8) foi liberada a nova versão do Microsoft Edge baseado no Projeto de código aberto Chromium. Para ter acesso a essa versão é preciso ingressas no programa insider do Edge. Mas, o que esse “novo” Edge tem de tão especial assim? Agora, vamos dar um grande passeio pelas principais novidades desse projeto e entender suas abrangência.

O que é o Microsoft Edge basead no Projeto Chromium?

A primeira coisa que precisa ficar bem clara, é que o Microsoft Edge não foi descontinuado, nem foi trocado por um novo browser feito a partir do zero, mas sim! a Microsoft confirmou que passará a ser uma das maiores apoiadoras do Projeto Chromium e usará o código deste projeto open source para aprimorar seu browser padrão. Sendo assim, a MS está refazendo algumas partes do seu browser com base nesse grandioso projeto de código aberto no qual também é baseado o Google Chrome.

A maior mudança sequer é visível ao usuário comum, pois, ela ocorre no código fonte do aplicativo, onde o motor de renderização proprietário da Microsoft, o EdgeHTML, dará lugar ao Blink.

Qual o objetivo maior disso?

O objetivo é abraçar o modelo de código aberto já tão bem estabelecido que vem funcionando efetivamente há anos: contribuições significativas e positivas que se alinham à arquitetura de longa data, cuidadosamente projetadas, e à engenharia colaborativa. A ideia é procurar juntos pelo melhor resultado para todas as pessoas que usam a Web em vários dispositivos.

Ainda segundo Joe, as pessoas que usam o Microsoft Edge (e potencialmente outros navegadores) terão uma compatibilidade aprimorada com todos os sites da Web, obtendo a melhor duração de bateria e integração de hardware em todos os tipos de dispositivos Windows.

E para quem desenvolve?

Os desenvolvedores focados na Web terão uma plataforma web menos fragmentada para testar seus sites, garantindo que haja menos problemas e um maior satisfação dos usuários de seus sites; e como a intensão é manter o entendimento orientado a serviços do Microsoft Edge de sites herdados somente do IE, a TI corporativa terá compatibilidade aprimorada para aplicativos da Web antigos e novos no navegador que acompanha o Windows.

Principais novidades dessa nova versão do Edge

Interface

Microsoft Edge

Novo Microsoft Edge basead no Chromium

A primeira mudança é na aparência… a Microsoft mudou algumas coisas, porém, usuários já acostumados com a UI do Edge tradicional não ficarão perdidos. Muito pelo contrário, eles se parecem bastante e a Microsoft fez questão que fosse assim. Até porque a aparência do Edge sempre foi muito elogiada por oferecer algo mais contemporâneo.

Uma das poucas mudanças é a forma como configurar a tela inicial do navegador. Tem um botão do tipo Menu Hamburguer no canto superior direito. Clique nele para conferir opções de exibição, como por exemplo, uma exibição chamada de “Focused”, onde só os sites favoritos são exibidos; tem outra opção chamada de “Inspiration”, onde é dada uma maior ênfase ao papel de parede do dia (ele busca do Bing); tem ainda a opção “Informational”, que mescla produtividade com informações provinientes do Microsoft News. Por fim, temos uma opção para customizar isso tudo.

Configurações

Nesse ponto a interface é bem diferente, porém, não é apenas a UI que está diferente. Existe muitas mudanças dentro das configurações. Pelas imagem acima é possível conferir que há opções diversas.

  • Profile – Perfil: Nessa aba o usuários terá acesso a suas configurações pessoais com base na conta Microsoft associada ao Edge. É possível escolher sincronizar ou não seus dados e informações. É nela também que ficam opções de pagamento, senhas salvas, seus enderços pessoais e opções para importar/exportar dados de outros navegadores.
  • Appearance – Aparência: Essa aba guarda opções para customizar fontes, também é possível escolher ocultar a barra de favoritos, entre outras coisas
  • On Starup – Na Abertura: Aqui temos opções para quando o browser for iniciado. O usuário pode escolher abrir páginas pré-selecionadas ou a aba padrão do Edge
  • Privacy and services – Privacidade e serviços: Nessa aba estão diversas opções sobre privacidade, coleta de dados, etc
  • Site Permission – Permissão de Sites: Nessa opção o usuário vai analisar a persmissão que cada site possui e gerenciar cada uma delas.
  • Download – Essa parte das configurações serve apenas mudar a pasta de destina dos seus download e também para solicitar confirmação de download antes dele ser iniciado
  • Languages – Linguagens: O novo Edge possui essa aba para que o usuário possa gerenciar quais idiomas serão suportados no seu browser. Você já pode instalar o PT-BR, porém, os menus do Edge ainda não serão traduzidos, ficando tudo em inglês ainda. Mas, adicionando nosso idioma o dicionário já entrará em ação quando necessário.
  • Printing – Imprimindo: Aqui temos um atalho que leva até as configurações de impressão.
  • System – Sistema: Nessa aba é possível ativar ou desataviar a aceleração de hardware, também é possível definir se o Edge pode continuar rodando em segundo plano mesmo quando fechado e assim por diante
  • Reset Setings – Resetar Opções: Serve apenas para restaurar os padrões de fábrica do broswser.
  • About – Sobre: Nessa aba o usuário pode conferir informações oficiais sobre a versão atual do Edge, entre outras coisas

Ainda sobre configurações, a barra de opções também mudou um pouco, porém, muito mais “por dentro” do que externamente, especialmente quando o assunto são as Extensões, já que agora o Edge suporte extensões de outras lojas que não a Microsoft Store. Você pode, por exemplo, instalar extensões a partir da Chrome Web Store. Veja mais detalhes sobre isso clicando aqui.

Downloads

Outra coisa que mudou bastante foi a forma como o Edge lida com downloads. A seguir temos uma imagem da área de download do Microsoft Edge tradicional e em seguida do novo Edge

Microsoft Edge

Área de download da atual versão do Microsoft Edge para Windows 10

Microsoft Edge

Nova área de download do Microsoft Edge baseado no Chromium

No novo Edge existem filtros diversos para que o usuário escolha qual tipo de arquivo ver, facilitando bastante na hora de encontrar um download mais antigo. Não fica tudo mistura num bolo só.

Desempenho e Compatibilidade

Em nossos teste já é possível perceber que o desempenho é muito bom. Nada expantosamente mais rápido que o Edge tradicional, mas as páginas abrem rapidamente e por enquanto não demos de cara com nenhuma página “Você tropeçou em tecnologia vintage”, ou seja, até mesmo a página de bancos, como Caixa Econômica Federal funcionam bem. Claro, depois de instalar aquele maldito módulo de segurança pré-histórico.

Mas, para não ficar apenas em nossas palavras, submetemos ambas as versões a um teste que mede o desempenho do browser ao lidar com HTML5 e o resultado revelou que o Edge baseado no Chromium é superior

Microsoft Edge

O Microsoft Edge tradcional atingiu 492 pontos

Microsoft Edge

Microsoft Edge baseado no Chromium atingiu 535 pontos

A título de curiosidade, a pontuação do Edge baseado no Chromium é a mesma alcançada pela atual versão estável do Google Chrome.

Quanto ao consumo de memória RAM, creio que mais testes serão necessários até termos algo mais preciso. Por hora, parece bom, porém, para medir isso com mais precisão vamos ter que levar muita coisa em consideração, como por exemplo, quantidade de abas abertas, outros programas abertos e rodando em segundo plano e também, é claro, o atual estágio de desenvolvimento do aplicativo, que neste caso, testamos apenas duas versões, a do canal DEV e a Canary. Sem dúvida alguma a versão Beta deve ser melhor otimizada e a versão final mais ainda. Mesmo assim adiantamos que é possível notar um consumo de RAM muito bom. Testamos numa máquina com 16 GB de RAM e o gerenciador de tarefas do Windows apontou o seguinte:

Porém, mesmo mostrando menos de 1 GB de consumo, note que o sistema aponta que quase 50% da memória está sendo consumida, mas não necessariamente é culpa do browser, porém, como eu falei, será preciso uma análise mais detalhada para entender esse consumo.

Enfim, o browser parece muito promissor e sem dúvida alguma ainda vai gerar muitos debates e outras análises. Neste momento podemos dizer que as primeiras impressões são excelentes. Veremos no uso do dia a dia como será…

 

Compartilhe:

Comentários: