[Editorial] Divisão de telefones da Microsoft pode estar por um fio, mas…

0

Ontem a Microsoft divulgou os relatórios de seus lucros referentes ao seu último trimestre fiscal e revelou que o lucro com telefones caiu ao ponto de quase ser insignificante diante dos demais setores. O relatório registrou uma queda de mais de 730 milhões de dólares.

Além disso, durante a apresentação dos ganhos da Microsoft, Amy Hood, Diretora Financeira da empresa, reconheceu isso, afirmando que não havia “receitas substanciais relacionadas a telefone neste trimestre”. A perspectiva para os próximos meses é igualmente sombria, como Hood previu: “receitas insignificantes vindas do setor de telefones” no próximo trimestre. A título de comparação, praticamente todos os demais setores da companhia geraram lucros consideráveis ou pelo menos registraram crescimento ou, por fim, registravam uma alguma queda, mas nada alarmante.

Para quem vem acompanhando tudo o que postamos aqui, isso não é nenhuma surpresa, afinal de contas, como lucrar com algo se não há investimento? Não há lançamentos? Quando você viu outro Lumia pós 650 sendo lançado? Não viu, porque não teve. Nada de novo foi lançado desde fevereiro de 2016. Até as OEMs cessaram os lançamentos pelo mundo. No máximo vimos a HP com seu Elite X3 que tem um foco bem específico que passa longe dos consumidores comuns.

Mary Jo Foley e Paul Thurrott, por exemplo, acreditam que até junho desde ano não haverá mais um departamento focado em telefones dentro da Microsoft, o que coincidentemente bate com o prazo para o fim do suporte oficial ao Windows Phone 8.1, que também se encerrará em junho (consulte aqui o ciclo de vida dos produtos Microsoft).

Tudo isso tem uma explicação e vamos chegar até ela agora mesmo.

Nós fizemos um artigo recentemente, mostrando como a Microsoft praticamente eliminou a necessidade de digitar senhas, usando o App MS Authenticator no seu telefone. Basta configurar e quando você precisar entrar em algum serviço que sua conta esteja vinculada no MS Authenticator, é simples: desbloqueie o seu telefone, toque em aprovar na notificação e pronto, você tem acesso direto, sem a necessidade de digitar uma senha, uma função muito aguardada e útil.

Mas, sempre tem um mas, essa novidade do MS Authenticator está reservada apenas para usuários de telefones iOS e Android, ou seja, usuário de telefones Windows estão de fora.

Nós colocamos a explicação de Alex Simons, diretor de gestão do programa Microsoft Identity Division, no post, mas, preciso reforçar aqui, qual é a visão da Microsoft sobre nós, os usuários de telefones Windows. Veja abaixo: [Essa declaração rendeu matérias no mundo todo e ela já a editou, mas o print é eterno.]

Algumas pessoas têm perguntado se isso funciona com a versão Windows Phone do Microsoft Authenticator. Windows Phone compõe menos de 5% dos usuários ativos de nossos aplicativos autenticador, então, nós temos priorizado focar este trabalho no iOS e Android, por enquanto. Se/quando ele se tornar um grande sucesso nessas plataformas de alta escala, nós vamos avaliar em adicionar suporte para o Windows Phone.

Então, o Windows 10 Mobile morreu?

Acreditamos que a expressão correta não seria morreu, mas sim, que está em um período de transição, de mudança, de evolução. Calma, não precisa jogar seu atual telefone no lixo, ele ainda, em muitos casos, terá suporte por algum tempo, dependendo do modelo que você possui. Precisamos entender que o Windows 10 Mobile enquanto S.O. exclusivo para telefones celular (esses são os 5%) não terá mais seu lugar ao sol, mas o Windows sim, esse está vivíssimo.

Satya Nadella está fazendo um grande trabalho na Microsoft, é inegável todas as suas habilidades em transformar a empresa no sucesso que é atualmente, também reafirmou que a Microsoft perdeu o boom dos smartphones, assim como, Terry Myerson, chefe da divisão de dispositivos Windows, que já havia deixado essa posição bem clara:

Nós estamos totalmente comprometidos com aparelhos com telas de 4 polegadas (referindo-se à smartphones) e haverá um momento em que eles estarão no nosso foco, mas agora, embora sejam membros da nossa família, não estão no foco de onde eu espero despertar interesse dos desenvolvedores ao longo do próximo ano.

Não há dúvida sobre a importância deste segmento, mas para a Microsoft (Windows e toda nossa plataforma) não seria o lugar certo a ser priorizado.

Se você quer alcançar mais consumidores, o Windows Phone não é o local pra isso. Se você quer alcançar muitos usuários, temos a maior base instalada de aparelhos entre 9 e 30 polegadas. Se você quer fazer coisas novas e empolgantes, Xbox e Hololens são os devices para se discutir a respeito.

A Microsoft perdeu o boom e embora os smartphones sejam membros da família Windows, eles não estão no foco dos desenvolvedores neste momento e isso é fácil perceber em diversos momentos e lançamentos recentes de Apps e Serviços.

Os motivos para isso está no fato do mercado de smartphone já estar saturado, sem novidades e andando no modo automático, com o iPhone abocanhando praticamente 80% dos lucros deste setor, seguido de longe pela Samsung com 14% e o resto. Apenas duas empresas estão felizes com este mercado, Apple e Samsung (Google também no pacote, já que o Android gera a receita de publicidade que ela precisa para sobreviver).

Satya Nadella, deixou bem claro para todo mundo o que a Microsoft irá fazer:

Não queremos ser conduzidos apenas pela inveja do que os outros têm”

Disse Nadella, fazendo uma referência aos esforços anteriores com o Windows Phone (Lumias) para imitar a experiência de um iPhone ou de um Android.

“Permaneceremos no mercado de telefonia, mas não nos mesmo moldes definidos pelos atuais líderes desse mercado, isso por que, nós podemos fazer algo mais exclusivo, um dispositivo móvel definitivo ou final“, completou ele.

“…Estamos focando em um conjunto específico de clientes que precisam de um conjunto específico de recursos que são diferenciados nos quais podemos fazer um bom trabalho”. Depois ele completou dizendo: “Veja o exemplo do Surface…  três anos atrás ninguém precisava de um 2-em-1, agora, muitos afirmam que precisam de um.”

Então, qual será a novidade?

O Windows! Veja abaixo, em um documento oficial da Microsoft, quais são as plataformas do Windows para um determinado drive de vídeo.

  • Windows 10 Client (x86)
  • Windows 10 Client (x64)
  • Windows v10.0 Client ARM
  • Windows 10 Mobile (ARM)
  • Windows 10 Mobile (ARM64)
  • Windows 10 Mobile (x86

Vamos focar nas versões Mobile, que são: ARM, ARM64 e x86.

Caso você não saiba, a Microsoft apresentou este ano o Windows 10 Pro completo rodando em um processador ARM da Qualcomm, o mesmo processador presente no HP Elite X3, e demonstrou programas clássicos, como por exemplo o Photoshop, rodando nativamente, sem emulação. Então, voltando as versões Mobile, entendemos que:

  • ARM é a versão do Windows 10 Mobile atual, que muitos usam em seus Lumia 950 e outros
  • ARM64 será a nova arquitetura que foi apresentada usando o HP Elite X3 como exemplo
  • X86 será exclusiva para programas clássicos.

Para botar mais lenha na fogueira, veja a imagem abaixo:

Agora a Microsoft refere-se ao Windows 10 Mobile assim: Atualização de abril de 2017 para a versão do Windows 10 – 15063.138 para telefones baseados em ARM. Repetindo, “telefones baseados em ARM”.

O que isso significa?

O Windows 10 Mobile terá que evoluir, que mudar, que ser transformado e poderá ser o caso de ter de comprar um hardware novo para aproveitar sua nova versão, o que poderá levar ao fim de qualquer Lumia já lançado tempos atrás. Isso explicaria o motivo pelo qual nenhum novo modelo foi lançado desde o Lumia 650. Então, não espere que a Microsoft invista mais em seu setor de telefones, porque ele deverá ser fundido com outros setores, afinal, se tudo será Windows e não haverá mais diferença entre suas versões, não faria sentido ter um setor em separado só para telefones, outro para tablets e outro para desktops. As OEMs sim terão seus departamentos para cuidar de seus telefones com Windows ou Android.

Daqui pra frente, será apenas Windows e se você tiver um telefone rodando o Windows, ele será chamado de “telefone baseado em ARM”. Não importa qual dispositivo você está utilizando, o Windows será o mesmo em todos, só mudará o modo de visualização (são as multiplas telas do Windows), por isso, a importância do Continuum, Cshell, UWP e Realidade Mista, e isso explica porque não haverá uma divisão dedicada a telefones dentro do Microsoft, mas sim, uma equipe focada no Windows e todas as suas diversas telas.

Alex Simons foi sincero, nem mesmo a Microsoft quer desenvolver aplicações separadas para uma base de usuários de apenas 5%. Isto é, naturalmente, muito verdadeiro. Telefones Windows são, neste momento, um arredondamento no mercado de smartphones.

Satya Nadella foi perfeito ao dizer que a Microsoft irá permanecer no mercado de telefonia, mas não nos mesmo moldes definidos pelo iPhone e Android, isso por que a Microsoft pode fazer algo mais exclusivo, um dispositivo móvel definitivo ou final.

Inclusive, futuramente quando vermos um relatório de ganhos da Microsoft como esse último, smartphone com Windows deverão aparecer dentro de uma nova categoria ou junto com a linha Surface e coisas do tipo. Se é que eles serão chamados de smartphones, telefones ou mobile.

Então, como será essa estratégia?

Unificação. Tudo deverá ser unificado, o OneCore. Não existirá uma versão para PC e outra para Mobile, não haverá duas Builds, uma para PC e outra para o Mobile, isso vai acabar.

Apenas duas arquiteturas: AMD64 (x86 e x64 para processadores AMD e Intel) e ARM64 (provavelmente apenas processadores da Qualcomm). Qualquer versão do sistema que não esteja nessa estratégia, ficará em suporte estendido, até a sua morte, inclusive a versão Windows 10 Mobile 32bits, que nós utilizamos hoje.

Pode ser que os 13 aparelhos listado como elegíveis para receber a Creators Update sejam os únicos que possam ser atualizados para a versão de 64bits do sistema, tendo em vista que todos eles rodam o Windows 10 Mobile em processadores que suportam tal arquitetura. Antes que alguém pergunte, o Snapdragon 617 do Cerulean Moment é um chipset de 64bist, então, ele também poderia ser atualizado se a WhartonBrooks e a Microsoft assim resolvessem, porém, até o momento, nenhuma das duas confirmou se ele será ou não atualizado.

Windows 10 Cloud (seja lá qual for o nome)

O Windows 10 Cloud, como vem sendo chamado ultimamente, ainda está cheio de dúvidas e nenhuma palavra oficial da Microsoft a seu respeito. Com a estratégia de unificação de Satya Nadella, eu te faço uma pergunta: Você paga uma licença separada do Windows 10 para usar no seu smartphone Lumia? Claro que não né! E porque pagaria para os novos dispositivos mobile?

Faz todo o sentido, então, acreditamos que o Windows 10 Cloud nada mais é do que o Windows 10 Pro completo, grátis, para dispositivos mobile de até 6 polegadas, por exemplo.

E esse nome “Cloud”? ele poderia refere-se ao streaming de Apps e Apps via nuvem que ele irá rodar, além de uma loja segura e fechada, o que será uma escolha natural para escolas, empresas e consumidores. Muito provavelmente esse não será seu nome oficial, porém, o sentido por trás deverá ser mantido.

Enfim, a estratégia de Satya Nadella é essa: OneCore, o Windows em todos os dispositivos, a única coisa que muda é o tamanho da tela, para isso, existe o Continuum e Cshell. Realidade Mista está chegando, com o Windows funcionando até em dispositivo sem telas.

Um último dado importante, antes que você acredite que o Windows não tem mais nenhuma chance no mercado mobile, a Microsoft está aproximadamente com 700 milhões de usuários e contando, segundo dados recentes, ou seja, somos 5% no mobile, mas, nas outras plataformas, a conversa muda de figura.

Compre um smartphone que te atenda hoje, que você goste, seja com Windows 10 Mobile, iOS ou Android, não importa. Todos os Apps da Microsoft funcionam perfeitamente no iOS e Android, mas a integração completa, apenas nos modelos com Windows, mas tenha em mente que os modelos legados com Windows 10 Mobile já estão no fim de suas vidas, porém, novidades virão ainda este ano e poderá ser algo grande.

Share.

About Author