Estamos no momento presenciando a quarta grande guerra dos processadores na batalha Intel x AMD.

Recentemente fizemos uma lista dos melhores processadores de 2020. Naquele momento o site pesquisou os processadores por características e preços. Chegou a hora de colocar um pouco mais de pimenta no Bobó e promover uma briga de gigantes.

Pode parecer que a AMD está finalmente fazendo frente à Intel com sua linha de produtos Ryzen, principalmente com as segunda e terceira gerações, mas o que vocês podem não saber é que esse movimento não é inédito.

Como tudo começou?

No passado nós tivemos a primeira grande guerra, quando a Intel lançava os processadores e os concorrentes “se inspiravam” neles. Isso aconteceu até a linha 80486, ou 486 para os íntimos.

Nessa geração de processadores a Intel e a IBM (que tinham parceria de patentes) licenciavam tecnologia para concorrentes como a AMD e Cyrix, que durante muito tempo ficaram nessa família apenas a “polindo”.

Lá nos idos de 1993 os processadores Pentium foram lançados com um ganho de performance considerável e tecnologias exclusivas. Foi o fim dos “clones” dos outros fabricantes, que tiveram que se virar com pesquisa e desenvolvimento, atrasando lançamentos de produtos novos.

Os processadores AMD de 133 MHz do final da linha 486 tinham performance semelhante aos Pentium 75 MHz lançado pouco mais de um ano antes. Praticamente o dobro da frequência para fazer o mesmo.

Assim acabou a primeira grande guerra com a vitória e monopólio prático da Intel pelos quatro anos seguintes após o primeiro Pentium.

O segundo capítulo.

A segunda grande guerra aconteceu com o lançamento da linha K6 em 1997. Foi o primeiro grande lançamento “solo” da AMD que bateu de frente com os Pentium MMX e Pentium II brigando com performance aceitável e preço muito atraente.

Aqui tivemos um empate técnico: apesar de entregar produtos com performance um pouco inferior (principalmente em ponto flutuante), os preços da AMD eram tão atrativos que o mercado ficou praticamente dividido.

A reviravolta no terceiro ato.

Quando a AMD criou a extensão 64 bits da arquitetura x86 nos Athlon, a Intel já tinha toda uma arquitetura nova desenhada para 64 bits, a IA-64 desenvolvida junto da HP e usada nos processadores Itanium, porém estava focando no grande porte.

A Intel não acreditava que usuários comuns precisariam de computadores de 64 bits, motivo pelo qual não pensou em criar as extensões necessárias.

Esse passo colocou a AMD na dianteira do desenvolvimento tecnológico pela primeira vez, quando recebeu o apoio da Microsoft que lançou uma versão do Windows em 64 bits da AMD.

A Intel não teve opção dado que a tecnologia da AMD já estava disseminada no mercado e sem o apoio da Microsoft com o Windows, teve que licenciar a tecnologia da concorrente em seus chips para que eles tivessem suporte às instruções 64 bits que se tornaram o padrão de mercado.

Foi o tapa na cara irônico que o destino deu na Intel. Dessa forma a AMD venceu a terceira grande guerra.

Depois disso, não tivemos uma boa concorrência da AMD: Seus processadores esquentavam demais, sofriam de problemas de baixa confiabilidade e a compra da ATI, antiga concorrente da nVidia no mercado de GPUs, nunca trouxe os ganhos que a empresa desejava.

Assim sendo, voltamos a ter um hiato de lançamentos relevantes, jejum esse que somente foi encerrado com a linha Ryzen. E sim, amigos leitores, somos testemunhas vivas da quarta grande guerra dos semicondutores.

História contada na batalha Intel x AMD, vamos ao que interessa!

Metodologia

Foi bastante complicado definir o método de avaliação, não apenas por existir diversos, mas também porque não tendo acesso direto aos processadores tenho que confiar nos benchmarks executados.

Pior: várias fontes de referência não divulgaram ainda benchmarks para os mais novos processadores da 10º geração da Intel, então tive que me virar com o que consegui.

Isto exposto, o método de avaliação escolhido foi o Cinebench R20, que faz parte da suíte Cinema 4, uma coletânea de produtos voltados para a produção visual, área que o autor aqui é atuante.

Então decidi usar uma escala de pontos. Como o Cinebench R20 testa performance single core e multi core brutas, apliquei peso de 1 ponto para o primeiro e 2 pontos para o segundo. Além disso, nos processadores que tem GPU integrada, considerei a pontuação em ponto flutuante de 32 bits, mais fácil de conseguir. Essa categoria também recebeu peso de 2 pontos.

Diferenças menores do que 3% seriam consideradas empates, caso houvesse.

Por fim, mas não menos importante, o preço (na civilização). O mais barato marca 2 pontos, afinal, preço é fator determinante em duas das quatro categorias listadas e em uma a relação custo benefício seria um critério que poderia influenciar a decisão de compra.

Sem mais delongas, vamos ao embate!

Intel x AMD: Processadores de entrada

Concorrentes escolhidos: Intel Core i3-10100 x AMD Ryzen 3 3200G

Motivo da escolha dos concorrentes: Apesar do número de threads não ser igual, a frequência base e a quantidade de núcleos coincide, ambos possuem placas gráficas integradas e estão classificados na base de produtos dos respectivos fabricantes.

Como se trata de processadores de entrada, voltados para o mais baixo custo, os modelos com GPU integrada representam uma economia para quem quer um computador básico, portanto nessas versões será considerada a performance desse componente.

Processadores: Core i3-10100 x Ryzen 3 3200G
Single CoreMulti CoreFP32Preço (US$)Pontos
Intel Core i3-1010044822844221223
AMD Ryzen 3 3200G39014551280804
Diferença (%)12,9536,3067,0334,43

Com frequências base e quantidade de núcleos semelhantes, esperava-se que a performance fosse, no mínimo, parecida, o que não ocorreu na avaliação multi core, resultado que se repete nos dois comparativos seguintes.

Como o Cinebench R20 é um software que estressa a CPU com cálculos complexos, o resultado pode ser influenciado pela arquitetura de interconexão usada no processador, (Ring Bus nos Intel e Infinity Fabric nos AMD) que no caso dos processadores Intel privilegia o funcionamento com menos núcleos.

Isso pode ser observado ao longo do comparativo, onde, quando a quantidade de núcleos aumenta, a diferença no multi core diminui proporcionalmente.

O Core i3 levou uma vantagem em poder computacional puro, mas perdeu na iGPU (como esperado) e no preço. Sendo os preços sugeridos de US$ 122 para o Intel e US$ 80 para o AMD, o Intel crava 3 pontos e o AMD 4.

Intel x AMD: 0 x 1

Intel x AMD: Processadores racionais

Concorrentes escolhidos: Intel Core i5-10600 x AMD Ryzen 5 3400G

Motivo da escolha dos concorrentes: apesar do Intel ter mais núcleos e threads, o rival da AMD escolhido para esse embate é o mais avançado modelo com GPU integrada nessa categoria.

Essa escolha se motiva porque nessa categoria, de computadores racionais, a GPU integrada representa uma economia na aquisição imediata, onde o usuário pode gastar depois com uma GPU mais potente, porém mantendo a racionalidade.

No quesito racionalidade, pode ser que o usuário de um processador AMD nessa categoria não sinta a necessidade de adquirir uma GPU dedicada, coisa que o Intel será bem mais necessário ao longo do tempo.

O perfil do usuário aqui é de alguém que vai usar o computador para trabalhar além do básico internet/email/office/redes sociais, e que pretende jogar no computador sem fazer questão de gráficos 4K HDR @ 120 FPS, mantendo-se no básico 1080 @ 30 FPS.

Processadores: Core i5-10600 x Ryzen 5 3400G
Single CoreMulti CoreFP32PreçoPontos
Intel Core i5-1060049435564612133
AMD Ryzen 5 3400G412195619711504
Diferença (%)16,6044,9976,6129,58

Aqui o Intel mostrou a força dos dois núcleos a mais. A diferença entre multi core nos processadores de baixo custo que era de 36,3% subiu para muito bons 44,99%, mas a GPU decepcionou.

Apesar de pontuar melhor que o Intel de entrada, a diferença para a GPU da AMD aumentou de, já ótimos, 67,03% para assombrosos 76,61%! Sendo assim, com preços sugeridos de, respectivamente, US$ 213 e US$ 150, o Intel marca 3 pontos e o AMD garante 4 pontos.

Intel x AMD: 0 x 2

Intel x AMD: Processadores para performance

Concorrentes escolhidos: Intel Core i7-10700KF x AMD Ryzen 7 3700X

Motivo da escolha dos concorrentes: Nessa categoria as coisas mudam um pouco de figura: O fator preço torna-se menos preponderante na aquisição porque aqui o usuário está procurando por uma boa performance para tarefas mais pesadas, como editar vídeos de forma semiprofissional, jogar com boa taxa de quadros, usar telas com alta resolução e tudo isso custa mais caro.

Também escolhemos CPUs sem GPU integrada porque consideramos que para todas essas tarefas será usada uma GPU dedicada.

Processadores: Core i7-10700KF x Ryzen 7 3700X
Single CoreMulti CorePreçoPontos
Intel Core i7-10700KF52452923493
AMD Ryzen 7 3700X50148342702
Diferença (%)4,398,6522,64

Nesse caso a diferença de pontuação no single core diminui consideravelmente ante os comparativos anteriores, sendo respectivamente 12,95%, 16,6% e 4,39%, exatamente na categoria onde a performance é o ponto de destaque, mas ainda com vantagem para o Intel.

Intel x AMD: 1 x 2.

Intel x AMD: O melhor que seu dinheiro pode comprar

Concorrentes escolhidos: Intel Core i9-10900KF x AMD Ryzen 9 3900X

Motivo para a escolha dos concorrentes: aqui a razão pegou o banquinho, saiu de fininho e decidiu “encher a cara” lá na quadra da escola de samba.

Nessa categoria a gente “chutou o pau da barraca” e colocou os expoentes (mais parecidos) de seus fabricantes na berlinda esquecendo quanto custa para adquirir cada um, mas não desconsiderando o preço para pontuação.

Máquinas equipadas com esses processadores, apesar de serem ainda voltados para o mercado doméstico, podem ser usadas para tarefas profissionais pesadas como edição de vídeos em 4K, produção artística, CAD e jogos pesados com resoluções 4K.

Como dinheiro aqui não é problema, imagina-se que GPUs dedicadas das linhas mais altas acompanharão os processadores, motivo pelo qual também foram escolhidos modelos sem GPU integrada.

Processadores: Core i9-10900KF x Ryzen 9 3900X
Single CoreMulti CorePreçoPontos
Intel Core i9-10900KF53963994631
AMD Ryzen 9 3900X52171784154
Diferença (%)3,3410,8510,37

Pela primeira vez o processador da AMD pontuou melhor em uma categoria de desempenho, vencendo a comparação multi core por uma sólida vantagem de mais de 10%, mas não se engane: a vitória foi garantida pelos 2 núcleos e 4 threads a mais. Ainda assim, com preço sugerido 10,37% mais em conta, o AMD aqui conquistou uma vitória com larga vantagem.

Resultado dessa peleja: Intel x AMD: 1 x 3

Intel x AMD: A guerra nunca acaba

O comparativo aqui apresentado é apenas uma amostra de um cenário muito mais amplo. Primeiro porque o parâmetro de teste escolhido é muito específico. O ideal seria ter mais parâmetros, como o Geekbench, o Passmark e alguns jogos para fazer uma média mais próxima da realidade.

Ainda assim, é perceptível que a “nova” décima geração da Intel, com litografia de 14 nm +++, apesar de apresentar performance boa, está ainda muito aquém do que poderia. Os processadores da Intel consomem mais energia e dissipam muito mais calor que os AMD para executar as mesmas tarefas com diferenças de performance pouco justificáveis quando o preço é colocado na equação.

De qualquer forma, ao olharmos para o histórico da “guerra”, temos empate e a atual etapa do combate, na minha opinião, tende para uma vitória da AMD o que colocaria a toda poderosa Intel em uma situação complexa, igual a da rival na geração dos Atlhon.

E aí? O que achou? Tenho certeza que você discorda de algum ponto. Escreva nos comentários o que você acha e vamos discutir o assunto. Não esqueça de compartilhar o artigo com os amigos nas redes sociais e entre no nosso grupo do Telegram! É só clicar no botão azul ao lado!