LG vai repensar todo o seu setor mobile depois do fracasso dos LG G4 e G5

0

O mercado de smartphones é complicado… atualmente os aparelhos mais tops usam tecnologia de ponta e custam caro para serem fabricados, o que leva as empresas a venderem seus aparelhos por preços elevados… atrelado a isso temos a gigantesca concorrência no setor, especialmente quando o assunto são smartphones com Android, que hoje dominam o mercado, e nem vamos falar das “jóias da Apple”.

No topo da cadeia alimentar temos a Samsung e seus galaxys, seguida de longe pela demais, como a Lenovo, Huawei, LG e a Sony, essas duas últimas gigantes do setor vem acumulando prejuízos anos após anos nesse setor, levando sua diretoria a tomar decisões extremas.

A Sony, por exemplo, parou de investir em telefones de baixo e médio custo, e até anunciou que não fabricaria mais smartphones em alguns países, como no Brasil. Telefones da Sony vendidos por aqui são todos importados agora… e temos a LG, que depois de tentar ganhar mais espaço com o LG G4 lançado no passado, mas sem sucesso em seu objetivo, viu no LG G5 uma nova oportunidade para chegar até a Samsung, porém, como já era de esperar, o telefone modular da marca não “pegou”.

LG G5 e seus acessórios

LG G5 e seus acessórios que ninguém quer

As pessoas não querem pagar uma fortuna por um aparelho e ainda ter que pagar outra por um acessório que pode muito bem ser substituídos por outros já disponíveis no mercado e também compatíveis com ele mesmo, como uma bateria extra da power bank ou mesmo uma caixa de som externa da JBL e outras. Ninguém vê sentido nos acessório intercambiáveis do aparelho… sem falar na atitude duvidosa da companhia em vender uma versão capada do LG G5 em alguns mercado, e isso inclui o nosso, porém, pelo mesmo preço da versão completa vendida nos EUA, por exemplo.

Agora, chegando ao fundo do poço, a LG anunciou na semana passada a criação do Departamento de Gerenciamento de Programas (Programa Manegement Office, ou simplesmente PMO), que ficará a cargo dos próximos passos que a divisão mobile dará e muita coisa deve mudar.

Mas, o que isso tem haver com o Windows Phone/Windows 10? Da mesma forma que falamos aqui sobre a Sony, será que não seria a hora da LG investir no S.O. da Microsoft? Afinal, continuar insistindo no Android não parece ser uma ideia muito boa, tendo em vista que eles já tentaram de tudo, de inovação tecnológicas de ponta até o modelo tradicional de vendas e nada parece dar certo. O mesmo vale para a Sony.

Não estamos falando que eles deveriam abandonar o Android em prol do Windows 10 como fez a Nokia com o seu Symbian, mas sim, criar uma linha específica de telefones com Windows, com diferenciais como o Continuum, Windows Hello, Cortana, etc., ou ainda telefones de baixo custo que pudessem ser uma opção aos milhares de telefones de baixo custo com Android.

O LG Lancet com Windows Phone 8.1 é o mais recente modelo da marca com Windows que foi lançado apenas nos EUA em 2015 e para uma operadora específica

O LG Lancet com Windows Phone 8.1 é o mais recente modelo da marca com Windows que foi lançado apenas nos EUA em 2015 e para uma operadora específica

Não somos analistas sênior de mercado, mas, será que ninguém dentro dessas empresas percebe que seria no mínimo interessante ver como se comportariam seus consumidores ao terem uma opção “diferente” do padrão androidiano? Um maciço investimento em marketing de um aparelho celular com Windows 10 poderia levar a LG ou a Sony a outro patamar, já que a Microsoft optou por deixar a linha Lumia um pouco de lado justamente para abrir espaço para OEM’s do seu software.

Quem sabe uma LG G5 com Windows 10 mobile seria interessante, como fez a HTC com o M8, que tem duas versões, uma com Android e outra com Windows

Quem sabe uma LG G5 com Windows 10 mobile seria interessante, como fez a HTC com o M8, que tem duas versões, uma com Android e outra com Windows

Será que elas não estão deixando passar uma oportunidade de ouro? O que você pensa sobre isso?

Fontes:  meiobit

Share.

About Author

Funcionário Público Federal, formado em Licenciatura em Química, Especialista em Ensino das Ciências e Matemática, músico, marido, pai, servo do Deus vivo e entusiasta do Windows Phone. Carpe Diem