Microsoft acaba de lançar uma ferramenta de captura de vídeo para HoloLens

0

Headsets de realidade virtual e realidade aumentada podem oferecer experiências digitais alucinantes, mas eles são, por projeto, experiências singulares. Tente descrevê-los para alguém sem um headset e que não vê nada além de objetos da vida real e um nerd usando um computador em seu rosto — é definitivamente, um desafio enorme e chato, já que você está fora da brincadeira.

Microsoft sabe que este é o caso do seu HMD (Head Mounted Display) de “realidade mista” o HoloLens. Então, a empresa surgiu com uma nova maneira para os usuários do HoloLens — especificamente fabricante de app para o HoloLens — capturar vídeo direto do HoloLens. Durante uma recente visita ao laboratório de HoloLens da Microsoft em Redmond, Washington, o pessoal do The Verge, participaram de uma  demo do HoloLens com um equipamento de câmera especial criado para ver o vídeo de nós mesmos interagindo com pequenos robôs digitais.

O equipamento, que a Microsoft chama de Spectator View ou Visão do Espectador, requer uma combinação de hardware e software e foi publicado como uma solução de código-fonte aberto na página Web da HoloLens no GitHub. Agora é muito mais fácil fazer um vídeo verdadeiro e real, do que mostrar não só um app no HoloLens, mas também uma pessoa interagindo com este app no HoloLens.

É um pequeno passo, mas é a direção certa para displays de HMDs. E vem em um momento quando empresas de VR e AR estão não apenas lidando com desafios técnicos em torno da partilha de seus apps, mas esbarrar em limites éticos, às vezes contando com efeitos especiais, ao invés de um vídeo “real” para mostrar o seu produto.

O HoloLens é um PC com Windows 10 que fica na sua cabeça. É um headset bastante robusto, mas tem suas peculiaridades, o que significa que você pode mover-se livremente ao redor da sala enquanto você brinca com os apps. Tem lentes holográficas levemente matizadas, quatro câmeras diferentes e uma unidade de processamento holográfico especial além do CPU e GPU.

Ao contrário da realidade virtual, que envolve você em um mundo completamente virtual, na realidade misturada dos HoloLens, significa que você ainda vê o mundo real ao seu redor, mas você também vê objetos digitais — apps literalmente flutuam na frente do seus olhos. A maior crítica ao HoloLens e é uma que ainda está de pé, é que o campo de visão é pequeno: para tal lente grande, as coisas flutuando na sua frente parece pequena. Em alguns casos os apps parecem mesmo cortado.

Ainda, com HoloLens você pode ver uma moto tridimensional no app de modelagem 3D Maya (cortesia da Autodesk), Buzz Aldrin, em pé na sala falando sobre Marte (cortesia da NASA), o rosto de um amigo em uma caixa de chat do Skype (Skype é propriedade da Microsoft). O app da Volvo, permite que você escolha a cor do seu novo S90 e ver exatamente como o carro vai ficar, fiel à escala, diante dos seus olhos. Estes são apenas alguns exemplos de uso do HoloLens.

Mas para os fabricantes de aplicativos, mostrar estes apps para as pessoas tornou-se um desafio. O HoloLens tem uma câmera embutida que vai gravar o vídeo do ponto de vista de quem está usando o HoloLens, mas o vídeo é de baixa qualidade.

Microsoft tem o seu próprio equipamento in-house para fazer vídeos promocionais do HoloLens, mas, envolve uma câmera Red Dragon, que pode variar no preço de $15.000 a US $50.000, o que vamos combinar, não é nada acessível.

“Captura de realidade mista equivale a metade da qualidade da câmera do seu telefone celular, com a câmera embutida” diz Ben Reed, líder de estratégia de negócios para HoloLens da Microsoft. “Isso é muito útil, é conveniente, faz um bom trabalho, mas ele não foi projetado para ter uma qualidade de transmissão, do tipo que você vê na TV. Percebemos que precisávamos de uma outra maneira das  pessoas visualizar o que o usuário do HoloLens está vendo.”

Microsoft está chamando o equipamento de “Spectator View“, e exige uma câmera com saída HDMI, uma montagem personalizada e um PC

O hack “visão do espectador”, por outro lado, exige uma DSLR, ou mesmo qualquer câmera com uma saída HDMI. Primeiro deve-se montar o HoloLens sob a câmera, estabilizada com um tripé. Isto requer uma montagem sob medida. Então você irá conectar sem fio o HoloLens para um PC, mas não para compartilhar vídeo; Só para compartilhar dados de posicionamento. No demo, vimos que a Microsoft estava executando o software de desenvolvimento de jogos na unidade do PC.

O próximo passo é a saída de vídeo da câmera para uma placa de captura no PC através de um cabo HDMI. Agora, o PC está recebendo dados de posicionamento e vídeo. Todo o processamento e o processamento dos dados é feito dentro do software da unidade, e voilà! Você tem vídeos de pessoas caminhando ao redor da sala usando fones de ouvido HoloLens, mas, você também verá os aplicativos, os objetos digitais e os jogos que eles estão jogando em torno deles.

Mas, nem tudo é perfeito, essa montagem personalizada ainda precisa ser usinada ou impressa em 3D. O PC tem que cumprir os requisitos mínimos para a execução da unidade. Também: ele não vai capturar o áudio.

Os vídeos da “vida real” de outros headsets AR e VR podem ser igualmente complicado, o tanto quanto. Não é apenas com o HoloLens.

Mas, para pessoas que já investiram US $3.000 em um headset HoloLens e estão fazendo um trabalho sério sobre como fazer apps de realidade mista, a instalação pode não ser tão assustadora. Outras técnicas de captura VR e AR não são simples. Para capturar o vídeo de headsets VR como o Oculus Rift ou HTC Vive, você pode usar um aplicativo de gravação de tela como o Bandicam. Mas mostrando uma pessoa real em um mundo virtual fica complicada. Em alguns casos, você pode jogar um jogo VR na frente de uma tela verde, anexar um controlador com sensor de movimento para uma câmera de vídeo, capturar a tela do jogo e em seguida, execute um programa de software que coloca essa pessoa no ambiente virtual, ou seja, nada simples.

Reed da Microsoft disse várias vezes que esta nova ferramenta é algo que veio direto da solicitação dos seus clientes existentes do HoloLens. A grande questão é: quantas coisas você pode unir até que o vídeo que está mostrando simplesmente são apenas efeitos especiais, e não representa de verdade o que o app realmente faz?

É uma linha que a Magic Leap, uma startup de AR altamente secreta da Flórida parece ter cruzado, com relatórios emergentes que pelo menos um de seus vídeo demonstrativos de AR  na verdade era totalmente fake e foi produzido por um estúdio top de efeitos visuais da Nova Zelândia, enganação total.

Para uma empresa como a Trimble, que utiliza sua tecnologia de posicionamento e digitalização para fazer aplicações de mineração, este tipo de configuração é algo que a empresa tem procurado “desde o primeiro dia.”

“Para nossos clientes de mineração, procurávamos algo que iria deixá-los visualizar as minas,” diz Aviad Almagor, que dirige o programa de realidade mista da Trimble. “No passado, com os tipos de ferramentas que estávamos usando para clarificar a ideia, nós teríamos que dizer, ‘ Ei, o que vamos apresentar não é realmente o que você verá no HoloLens; Existem alguns efeitos especiais. ” Mas agora não, com o Spectator View da Microsoft, podemos mostrar através da visão do espectador uma transmissão ao vivo do usuário.”

Então, esta nova ferramenta de videografia é algo que só se aplica a um número relativamente pequeno de pessoas. Mas, no mundo da evolução rápida da realidade aumentada, realidade virtual e realidade mista, a Microsoft se destaca por oferecer uma visão real do seu produto para os clientes e fornecedores, uma maneira de mostrar não apenas hologramas, mas as pessoas interagindo com eles, sem efeitos.

Quer saber mais sobre o Spectator View para Hololens da Microsoft? Clique aqui e veja o post completo e detalhado para maiores informações.

Fonte: The Verge e Microsoft

Share.

About Author