DestaqueNotícias

Microsoft adquire a Cycle Computing e vai acelerar a Big Computing na nuvem

De encontrar uma cura para o câncer e tornar os veículos mais seguros para cumprir as promessas de inteligência artificial, os problemas complexos de hoje requerem a capacidade de aproveitar a enorme quantidade de poder computacional. Por muito tempo, Big Computing era acessível apenas para as organizações mais bem financiadas. A Microsoft acredita que o acesso a grandes recursos de computação na nuvem tem o poder de transformar muitas empresas e estará na vanguarda da experimentação de descoberta e inovação nas décadas que virão. Até agora, a Microsoft tem feito investimentos significativos em toda sua infraestrutura, serviços e o ecossistema de parceiros para concretizar esta visão.

 Como mais um passo nessa direção, hoje a Microsoft adquiriu a Cycle Computing, uma empresa líder em orquestração de computação em nuvem para ajudar a tornar mais fácil para os clientes, usar a computação de alto desempenho (HPC) e outros recursos de grande computação na nuvem. A nuvem está rapidamente mudando o mundo Big Computing, oferecendo aos clientes o poder sob demanda e infraestrutura necessárias para executar enormes cargas de trabalho em escala sem sobrecarga. Seu poder de computação já não é medido ou limitado pelo tamanho da sala do seu data center.

 Azure tem uma pegada global maciça e, mais do que qualquer outro grande provedor de nuvem no mundo. Ele também tem uma infraestrutura poderosa, suporte para redes ágeis InfiniBand e recursos de GPU incríveis. Combinando a mais especializada infraestrutura de Big Computing disponível na nuvem pública com tecnologia da Cycle Computing e anos de experiência com os maiores supercomputadores do mundo, a Microsoft abriu muitas novas possibilidades. Mais importante ainda, a Cycle Computing ajudará os clientes a acelerar sua mudança para a nuvem e torná-la fácil de tirar proveito do mais alto desempenho e compatível com a infraestrutura disponível na nuvem pública hoje

 

Já vimos o crescimento explosivo do Azure nas áreas de inteligência artificial, Internet das Coisas e Deep Learning. Como os clientes continuam a procurar maneiras mais rápidas e mais eficientes para executar suas cargas de trabalho, a robustez da Cycle Computing e especialização em torno de aplicações massivamente escaláveis, será um encaixe perfeito e uma maior integração a equipe Azure da Microsoft. A tecnologia da Cycle Computing irá reforçar ainda mais o apoio de cargas de trabalho Linux HPC e tornar mais fácil estender as cargas de trabalho no local para a nuvem.

 Clientes como a City of Hope e MetLife já se beneficiaram da flexibilidade e a escalabilidade dos recursos de processamento de dados do Azure HPC para alcançar resultados mais rápidos e precisos, poupando os custos de infraestrutura significativamente.

 A Microsoft não revelou os valores da compra da Cycle Computing,que desenvolve software para orquestrar as cargas de trabalho nas nuvens Azure, Amazon e Google.

 O CEO da Cycle Computing, Jason Stowe, em seu próprio blog, anunciou o negócio e observou que a empresa possui clientes em várias áreas, como a fabricação, seguro de vida, farmacêutico e biotecnologia, mídia e entretenimento, serviços financeiros e segmentos de agências do governo.

“Nós vemos oportunidades incríveis em unir forças com a Microsoft. Sua oferta global de nuvem híbrida exclusiva é construída com empresas em mente, e sua equipe de Big computação/HPC já proporcionou tecnologias cruciais como a InfiniBand e a próxima geração de GPUs. “A equipe da Cycle Computing não pode esperar para combinar a tecnologia da CycleCloud e unir-se com o Microsoft Azure e atingir o mercado globa, disse Jason Stowe.

Será que a Microsoft irá continuar suportando a tecnologia da Cycle Computing na nuvem da AWS e o Google Cloud?

Segundo um porta-voz da Microsoft:

“Vamos continuar a oferecer suporte aos clientes da Cycle Computing usando o AWS e/ou a nuvem do Google. Versões futuras lançadas pela Microsoft serão focadas no Azure. Estamos empenhados em fornecer aos clientes uma migração sem problemas para o Azure, se e quando eles decidirem migrar.”

Desde 2005, o software da Cycle Computing tem sido usado para “implantar clusters virtuais, armazenamento e execução de ponta genómica, aprendizado de máquina, simulação e computação científica de fluxos de trabalho para governos, universidades, empresas da Fortune 500 e todos os tamanhos de dados conduzidos, além de  empresas inovadoras como a Aerospace Corporation, Lockheed Martin, Universidade de Purdue, JP Morgan Chase e Pfizer, todas aproveitando as milhares de horas de computação baseada em nuvem.

Baseado em Stamford, Connecticut, a Cycle Computing foi fundada em 2005 por Rub Futrick e Jason Stowe.

“Tivemos a rara oportunidade de inventar um categoria de produto: Cloud HPC” observou o CEO Stowe.

Jason Zander, vice-presidente incorporado da Microsoft para o Azure, reforçou:

“A Microsoft é o único e principal provedor de nuvem que atualmente suporta a InfiniBand”

O negócio de “Big Computing” também irá alavancar os planos recentes anunciados pela Microsoft em adicionar instâncias GPU com base na geração de processadores gráficos Pascal da NVIDIA para a sua nuvem Azure.

Esses investimentos da Microsoft visam AI (Inteligência Artificial) e cargas de trabalho de Deep Learning, bem como cargas de trabalho HPC como sequenciamento de DNA entre outros.

 Fonte: Microsoft, ZDNet