DestaqueNotícias

Microsoft traz seu kit de desenvolvimento quântico para MacOS, Linux e novo tipo de qubit este ano

A Microsoft lançou a primeira versão do seu kit de desenvolvimento quântico e uma nova linguagem de programação de computação quântica Q # em dezembro passado. Hoje, a empresa lançou uma atualização que adiciona suporte ao desenvolvimento quântico no MacOS e no Linux. Tanto a linguagem Q # quanto o simulador quântico da empresa, serão executados nessas plataformas, além do Windows, é claro.

O novo lançamento do simulador é muito mais rápido do que o primeiro lançamento, com a empresa dizendo que funciona de quatro à cinco vezes mais rápido, especialmente em simulações com 20 ou mais qubits.

As bibliotecas e amostras quânticas estão agora disponíveis sob uma licença de código aberto – a fonte para elas foi anteriormente, simplesmente compartilhada – permitindo que outras as modifiquem e estendam. A interoperabilidade com bibliotecas existentes também está sendo aprimorada: a Microsoft está trabalhando na integração do suporte a Python. No Windows, o lançamento de hoje inclui uma prévia da integração do Python, que permite que os programas Q # chamem o código Python e vice-versa.

O simulador quântico da Microsoft (uma pequena versão do qual pode ser executado localmente, com uma versão maior que é executada na nuvem) destina-se a auxiliar o desenvolvimento e a compreensão de programas quânticos. Permite que o estado quântico seja inspecionado (algo que não é possível com um estado quântico real, porque inspecioná-lo colapsa a função de onda e força-o a ter um valor distinto) e para o perfil de escala e performance de programas quânticos a serem medidos. O que não pode fazer, no entanto, é a computação quântica em larga escala; a memória e as demandas computacionais crescem exponencialmente com o número de qubits simulados – 32 qubits requer 32 GB de RAM e cada qubit adicional duplica os requisitos de memória.

O simulador destina-se a ser um precursor do hardware quântico real, no qual a Microsoft também está trabalhando. Os esforços de computação quântica da Microsoft são construídos em torno de um conceito chamado qubit topológico. O qubit topológico é atraente porque deve ser muito mais robusto do que os qubits usados em outros computadores quânticos; enquanto o sistema da Microsoft ainda terá que operar nas temperaturas zero quase absolutas usadas em outras máquinas quânticas, ele deve exigir substancialmente menos qubits para verificar e corrigir erros, em comparação com esses outros sistemas.

A empresa ainda não tem um computador de qubi topológico, mas, Todd Holmdahl, CVP da Microsoft Quantum Computing, disse que ele está confiante que haverá pelo menos um único qubit de trabalho até o final do ano. Como parte de seus esforços quânticos, a Microsoft também vem investindo na tecnologia de fabricação que pretende usar para construir sua computação quântica – pense na impressão em 3D a nanoescala – e, portanto, a expectativa é que a ampliação de dois, três e mais qubits aconteça relativamente rápido depois que o primeiro qubit for construído.

Fonte: Arstechnica