Notice: Trying to get property of non-object in /srv/users/windowsteam/public/wp-content/plugins/wordpress-seo/frontend/schema/class-schema-person.php on line 118

Notice: Trying to get property of non-object in /srv/users/windowsteam/public/wp-content/plugins/wordpress-seo/frontend/schema/class-schema-person.php on line 144

Notice: Trying to get property of non-object in /srv/users/windowsteam/public/wp-content/plugins/wordpress-seo/frontend/schema/class-schema-person.php on line 151

Notice: Trying to get property of non-object in /srv/users/windowsteam/public/wp-content/plugins/wordpress-seo/frontend/schema/class-schema-person.php on line 152
Sábado, 20 de Abril de 2019
Home Destaque

O que sabemos até agora sobre os novos sistemas da Microsoft: Polaris, Andrômeda, Aruba e Oásis

26/01/2018 1333 0
O que sabemos até agora sobre os novos sistemas da Microsoft: Polaris, Andrômeda, Aruba e Oásis

O Windows Core OS está definindo o caminho do Windows para a próxima década. Como tudo ainda é um pouco misterioso e confuso, vamos tentar explicar porque o “Polaris” será um sistema significativo para os consumidores, o mercado de educação e empresas.

A Microsoft tem grandes planos para o Windows, e envolve revisar os componentes do seu OS, removendo partes legadas mais antigas e tornando o Windows modular. Conhecido como “Windows Core OS (WCOS)”, a Microsoft vai reequipar o Windows, trocar o motor e deixar o seu carro mais rápido e proporcionar novas experiências de dispositivos, mantendo a aparência familiar do Windows.

No centro dessa grande mudança chamada Windows Core OS estão os “compositores” – experiência de interface do usuário (UI). Windows “Polaris” é um destes compositores. Eis como tudo se encaixa e por que a Microsoft vê isso como o futuro da computação.

Windows Core OS e OneCore

Para entender como funcionará a visão da Microsoft para o Windows, é essencial entender um pouco da arquitetura do sistema operacional. Aqui está uma lista de elementos-chave:

  • Windows OneCore – A Microsoft com sucesso unificou seu kernel e o  núcleo do sistema operacional através de dispositivos em 2015.
  • A Plataforma Universal do Windows (UWP) – Microsoft unificou sua plataforma de aplicativos, que roda em sistemas Win32 (x86, x64), ARM e Xbox.
  • Windows Core OS – Microsoft está fazendo o Windows 10 modular. Uma vez terminado, o Windows 10 possuirá a mesma aparência, mas, componentes como Win32 e suporte à telefonia para chamadas de celulares podem ser adicionadas ou removidas pelas OEMs. O Windows Core OS também irá pavimentar o caminho para uma verdadeira versão UWP do Windows 10 sem qualquer suporte nativo à Win32 e que eventualmente substituirá o Windows 10 S.
  • Windows CShell – Com o mesmo kernel, um núcleo flexível e uma plataforma unificada de apps, a última parte é a Shell – ou a interface do usuário (UI) – que por si só se adapta à qualquer tela. Trazendo a ideia do Continuum para o nível de sistema operacional, a CShell permite que dispositivos ajustem suas interfaces de usuário para tarefas diferentes e experiências. Um PC desktop completo com Windows 10 seria capaz de assumir uma interface de usuário do Windows 10 Mobile quando no modo de telefone, por exemplo. Ou, um PC com Windows 10 poderia assumir a interface de usuário do Xbox quando estiver no modo de jogo.

A ideia aqui é simples: O Windows irá compartilhar o mesmo kernel (OneCore) e agora os mesmos componentes de nível de sistema operacional (Windows Core OS), mas, a shell é variável e configurável baseado no hardware que está sendo criado.

Antes deste modelo, a Microsoft tinha o kernel unificado (OneCore), mas, as coisas de nível de sistema operacional eram diferentes entre o Windows 10 Mobile, Windows 10 PCs, Xbox, HoloLens e Surface Hub. Era necessária uma equipe própria para manter cada um. Enquanto todos compartilhavam o kernel (OneCore) e a camada de aplicativo (UWP), ainda precisavam de um “mediador” de cada um da sua própria equipe de engenharia.

Com o Windows Core OS este modelo está morto. O kernel, a camada de aplicativo e componentes de nível de sistema operacional agora são todos iguais. A única diferença será a shell ou a interface do usuário (UI). No modelo Windows Core OS, eles estão sendo chamados de “compositores”. Por exemplo, pode haver um compositor para tablets, um para desktops e outro para celulares.

Compositores: Andrômeda, Polaris e mais

Compositores é parte das Shell flexíveis que o Windows Core OS expressará. Há uma shell móvel (Andrômeda), desktop (Polaris), Surface Hub (Aruba) e Realidade Mista (Oásis).

Novos dispositivos – em teoria – poderiam ter vários compositores. Por exemplo, um dispositivo pode atuar como mobile (Andrômeda) mas, também mudar para um modo de área de trabalho (Polaris), automagicamente.

Poderia haver ainda mais compositores – não existem limites. A Microsoft já tem o kernel (OneCore), núcleo de sistema operacional (WCOS), e a camada de aplicativo (UWP) terminadas, prontinhas, mas, o mercado pode pedir um novo compositor para um novo tipo de experiência, como o modo de jogo ou colaboração, o que tornaria fácil sua implementação.

Seria como a experiência do Modo Continuum da Microsoft misturado?

Sim. Este modelo é uma forma de Continuum construído em todas as versões do Windows para que o sistema operacional possa viver e se adaptar aos novos hardwares sem precisar refazer o sistema operacional real.

Simplificando, o Windows agora é modular com a interface de usuário (Shell) sendo a variável.

O Polaris deixará o PC diferente?

A primeira vez que você ver um laptop Windows Core OS executando o Polaris o software irá parecer apenas com o Windows 10 que você já conhece.

No fundo, porém, as coisas são bem diferentes. Já não haverá lá dentro, muitos sistemas legados construídos no sistema operacional, como por exemplo, o velho Explorador de Arquivos ou o Fax machine. Componentes legados estão sendo retirados para agilizar o Windows para a próxima década. O Windows vai passar por, digamos assim, uma lipoaspiração.

Quanto às aplicações legadas, como as Win32 (apps clássicos), a Microsoft possui algumas soluções declaradamente sob consideração. Por um lado, a ponte para apps Centennial da Microsoft Store ainda funcionam. A Microsoft provavelmente vai colocar muitas das suas próprias aplicações legadas dentro da Microsoft Store, para compensar a sua remoção, como aconteceu com o velho app Microsoft Paint.

Outra solução pode envolver o streaming de apps – basicamente, executando seu aplicativo herdado através da nuvem diretamente para o seu dispositivo. Mas, o objetivo real do Windows Core OS e Polaris para usuários de desktop e laptop é a UWP. A Microsoft quer que o consumidor use a Microsoft Store e os apps na plataforma UWP.

Windows OS Core: novas experiências de dispositivos apenas

Finalmente, deve-se notar que a Microsoft não está obrigando o uso do Windows Core OS – na forma do Andrômeda ou Polaris – para ninguém.

Esta versão simplificada do Windows só aparecerá para novos PCs comercializados com o sistema operacional mais enxuto. Na palestra de marketing, isso é destinado ao público alvo. Mesmo assim, os consumidores provavelmente não serão o primeiro alvo. Em vez disso, ele será posicionado no mercado de educação, incluindo escolas primárias e secundárias, trabalhadores da primeira linha (FLW) e os operadores de informações.

Também (provavelmente) haverá novos consumidores de laptops e dispositivos que executam este sistema operacional, como os novos PCs Sempre Conectados executando o Windows 10 no ARM. É seguro dizer que os futuros PCs Sempre Conectados rodando em processadores Snapdragon da Qualcomm, eventualmente virão com o Windows Core OS. Eles terão um enxuto e moderno sistema operacional de PC que terá conectividade 4G LTE, habilidades instantânea e vida útil da bateria que dure semanas.

O Windows 10 S também poderá desfrutar do Windows Core OS e Polaris.

E muito importante, nada disso quer dizer que o Windows 10 Pro será aposentado, ainda não! Muitas empresas, hospitais, governos e os consumidores de nível profissional precisam de todo esse legado e suporte para desktops e laptops. Esses dispositivos vão continuar a ter suporte e novos hardwares serão lançados para esse público.

Mas, a longo prazo, a Microsoft vê o Windows Core OS como a peça principal para desktop, mobile, console de jogos, realidade mista e display de ambiente (dispositivos como o Surface Hub).

Por que Windows Core OS é o movimento certo?

Windows Core OS é o modelo certo para a computação avançar. Google Chromebooks estão ganhando quota de mercado – principalmente nas escolas – mas também entre os consumidores. A ideia de um brilhante, flexível, seguro e totalmente moderno sistema operacional é necessário para Microsoft e o Windows ter um futuro na próxima década.

O mercado consumidor caminha em direção a um futuro mais móvel. Google está vendendo seus Chromebooks com o slogan “se você deseja que os computadores fossem mais parecidos com os telefones”, então, é bom prestar atenção.

O Windows Core OS com seus compositores (Cshell) é a ponte para esse futuro. Para estudantes, trabalhadores móveis, ambiente de computação e até mesmo a maioria dos consumidores, esse modelo é incrível. Embora ainda existam muitas perguntas sobre o futuro do Windows, esta nova arquitetura parece promissora.

Fonte: Windows Central

Compartilhe:

Comentários: