A série Paper Mario evoluiu de maneiras estranhas ao longo dos anos. Dessa forma, ela começou como um jogo japonês de role-playing (JRPG) japonês baseado em turnos para o Nintendo 64, depois se “transformou” em uma fantástica sequência do GameCube chamada Paper Mario: The Thousand Year Door. Em seguida, a série flertou com um super jogo de plataformas com Super Paper Mario, e depois se aventurou em cartões e adesivos em Paper Mario: Sticker Star e Paper Mario: Color Splash. 

Jogue também o Super Mario World Online!

O mais novo jogo, Paper Mario: The Origami King para o Nintendo Switch, mistura a fórmula novamente. É uma aventura alegre com alguns elementos JRPG integrados em um sistema de combate baseado em quebra-cabeças deslizantes. Infelizmente, esse sistema de combate é um não funciona muito bem, e atrapalha o que poderia ser uma missão encantadora e divertida.

Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/PC Gamer
Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/PC Gamer

O “homem dobrado”

O jogo começa como muitos jogos de Mario. Dessa forma, Mario e Luigi estão sendo convidados para o castelo da princesa Peach. Quando eles chegam, a princesa parece ser diferente, uma figura dobrada de origami falando com tons ainda mais diferentes do que o simples recorte de papel que ela deveria estar nesta série. Este é o trabalho do príncipe Olly, um “origami real” que está transformando cidadãos de papel da terra em soldados de origami e que quer reivindicar o mundo pela supremacia do origami. Dessa forma, ele rouba o castelo de Peach no céu, envolve-o em serpentinas coloridas que se estendem por todo o reino e deixa Mario em transe no chão. A irmã de Olly, Olivia, parece ajudar Mario a parar as maquinações de seu irmão e salvar o reino novamente.

A partir daqui, é a fórmula típica para um jogo do Paper Mario. Mario viaja pelo mundo coletando e destruindo um punhado de objetos coloridos antes que ele possa derrotar a grande ameaça e salvar o reino. Nesse caso, os itens colecionáveis ??são os carretéis de cada serpentina enrolados no castelo, estendendo-se até os cantos mais distantes da terra e guardados por poderosos e únicos oficiais do exército de Olly. É a aventura habitual do Mario RPG.

Uma estética atraente

Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/PC Gamer
Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/PC Gamer

O mundo do Paper Mario: The Origami King é uma terra de materiais de artesanato, onde quase todo mundo é feito de papel. Os edifícios são papelão dobrado, a grama e a água são cuidadosamente cortadas em papel colorido, e os personagens são peças de arte brilhantes com contornos brancos. É uma estética atraente que tem seu próprio estilo Paper Mario, mesmo quando comparado com outros jogos do Nintendo Switch, como o Crafted World de Yoshi e o Epic Yarn de Kirby.

Vagando pelo mundo dos papercraft parece com qualquer outro RPG de Mario. Dessa forma, você pode pular e acertar objetos com um martelo, explorando frequentemente para resolver quebra-cabeças e encontrar tesouros escondidos. Bater em árvores e pedras sacode confetes livres, que você pode coletar e depois jogar para preencher “buracos sem fundo” na paisagem que o recompensa com moedas e às vezes fornece um novo caminho. Além disso, você também pode atacar ou ser atacado pelos “soldados dobrados” de Olly, versões de origami de inimigos clássicos de Mario, como Goombas, Koopa Troopas e Shy Guys. Versões regulares em papel desses inimigos também podem ser encontradas no jogo, mas geralmente são NPCs que você pode conversar e se esconder ativamente dos próprios soldados dobrados.

Anel de Combate

Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/PC Gamer
Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/PC Gamer

Deparar-se com um soldado dobrado desencadeia uma sequência de batalha. Além disso, você também pode pular nos inimigos ou atingi-los com um martelo para causar algum dano antes do início da batalha, mas eles podem fazer o mesmo se o atacarem por trás. Os inimigos próximos também podem se acumular para criar batalhas de ondas onde você enfrenta várias ondas de inimigos.

No entanto, você acaba em combate, o resultado é o mesmo: uma batalha de meio quebra-cabeça e meio turno usando anéis deslizantes. Batalhas regulares colocam você no centro de uma série de anéis seccionais concêntricos, com inimigos espalhados ao seu redor. Girando os anéis ou deslizando as colunas seccionadas, você pode organizar os inimigos em grupos de quatro para alinhá-los contra seus ataques. Você recebe um bônus de dano se os alinhar em grupos. O ataque de pulo de Mario salta sobre os inimigos em uma linha reta, enquanto seu martelo ataca as duas fileiras mais próximas de duas em um quadrado. Quando terminar de mover os anéis, você poderá atacar, geralmente com um movimento para cada quatro inimigos presentes a cada turno.

Equipamentos de Mario

Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/PC Gamer
Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/PC Gamer

Mario pode equipar armas diferentes para suas botas e martelo para fornecer benefícios diferentes, como sapatos de ferro para saltar sobre inimigos pontiagudos e um martelo que atira nas duas filas mais distantes, em vez da mais próxima. Ele também possui três slots de armas para cada tipo de arma, para que ele possa se preparar com várias armas, além de suas botas e martelo padrão. As armas extras degradam com o uso, portanto, você precisa ficar abastecido. Paper Mario: The Origami King não tem sistema de experiência, e o dano que você causa é determinado inteiramente pelas armas que você usa e pelo máximo de pontos de vida que você tem. Esses pontos de vida podem ser aprimorados ao encontrar recipientes de coração no jogo.

O combate de Paper Mario é o elemento mais fraco do rei Origami por causa de como esses elementos se combinam. Como seu objetivo é simplesmente alinhar os inimigos, isso torna o quebra-cabeça muito simplista e sem recompensa. Infelizmente, você não pode pular esta etapa, porque o bônus de dano que você recebe ao alinhá-los é vital na maioria dos casos. Dessa forma, inimigos geralmente têm saúde suficiente para que você precise desse bônus para vencê-los em uma única rodada.

Dano, moedas e luta contra chefes

Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/PC Gamer

O dano é baseado apenas em suas armas e no máximo de pontos de vida. Portanto, há pouca sensação de progressão semelhante ao JRPG ou de ganhar força intencionalmente nas áreas anteriores do jogo para combater inimigos mais fracos. Além disso, as armas degradam e quebram com o uso, para que você não tenha a satisfação de ser um Mario mais bem equipado enquanto joga. Se você não fizer isso, corre o risco de ser pego em uma masmorra com suas botas e martelo básicos frustrantemente fracos. O game “joga” milhares de moedas em você. Portanto, manter o estoque não é uma tarefa tão árdua, mas isso contribui para um trabalho repetitivo que não parece muito gratificante, mesmo com os elementos de resolução de quebra-cabeças.

Lutas contra chefes são um pouco mais estimulantes, porque o anel inverte para colocar Mario do lado de fora e o chefe no centro. Aqui você precisa organizar setas e outros ícones de anel para direcionar Mario para o centro, onde um ícone de ataque ou ação o deixará causar dano. São lutas variadas e complicadas que tornam o aspecto do quebra-cabeça do sistema de combate muito mais envolvente, pois cada chefe tem seus próprios padrões de ataque, pontos fracos e truques para afetar o quadro e forçar você a ter muito mais cuidado na forma como você vai agir.

Essas lutas podem demorar mais que as batalhas regulares, mas a variedade é muito mais interessante. O jogo poderia ter mantido lutas circulares reservadas para batalhas de chefes e usado o combate JRPG padrão por turnos para inimigos comuns, como em Paper Mario: The Door of Thousand Year. Isso, sem dúvidas, teria sido melhor para o game.

Muito para encontrar

Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/PC Gamer
Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/PC Gamer

É uma pena que o combate seja uma tarefa árdua, porque Paper Mario: The Origami King é muito charmoso e divertido, com muito o que fazer. Fora da batalha, você pode explorar um mundo grande e interessante de materiais de artesanato cheios de segredos e piadas divertidas. Você pode procurar por tesouros de artesanato em papel (modelos de objetos no jogo), sapos escondidos para resgatar e poços para preencher todas as áreas, oferecendo muito para os finalistas do game aproveitarem. Quase todo sapo, e qualquer outro personagem, tem alguma peculiaridade pessoal divertida ou uma piada engraçada para compartilhar.

Também é um mundo muito grande, comparável aos JRPGs Paper Mario anteriores. Existem campos, cavernas, vales outonais, minas e até um parque de diversões com tema de samurais. Você encontrará aliados, resolverá quebra-cabeças e auxiliará diferentes personagens enquanto avança para encontrar as diferentes serpentinas e libertar o castelo de Peach. Há muito o que fazer e um jogo pode durar dezenas de horas, pontuado frustrantemente pelo combate repetitivo e sem graça.

Não coloque um anel nele

Paper Mario The Origami King: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/PC Gamer

Paper Mario: The Origami King é um JRPG divertido e colorido que se sobressai ao pensar ou subestimar um de seus elementos principais. Entretanto, o sistema de batalhas é repetitivo e frustrante, sem a profundidade estratégica para torná-lo satisfatório como um jogo de quebra-cabeça e sem o senso mecânico de progressão para torná-lo satisfatório como um JRPG. Tem um mundo divertido e uma história interessante, mas as lutas são um rascunho interminável. A Nintendo poderia ter eliminado completamente o sistema de combate em anel e abandonado um sistema de combate RPG convencional baseado em turnos, ou eliminado suas armas e inventado um sistema de quebra-cabeça mais satisfatório, mas o jogo acaba preso entre os dois elementos. Além disso, as lutas geralmente não são muito divertidas, o que é uma pena, considerando o quão encantador é o resto do jogo.

Gostou? O que achou? Já jogou Paper Mario: The Origami King? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!