Rise of the Tomb Raider se desenrola em um vale assombrado por ecos dos tempos antigos. Dessa forma, estruturas soviéticas abandonadas pontilham a paisagem, enquanto reinos passados ??permanecem adormecidos sob o solo. Até os habitantes atuais, há muito protegidos do mundo exterior, ainda caçam e se reúnem como seus ancestrais. Para Lara Croft, uma pessoa que pretende fugir do passado, este não é um lugar muito reconfortante.

Conheça o Google Stadia, a plataforma de streaming de jogos do Google!

Mas em sua busca por artefatos sobrenaturais, aqui está ela novamente. Assim começa a próxima aventura para o arqueólogo icônico.

Um reboot?

No reboot de 2013 de Tomb Raider, a desenvolvedora Crystal Dynamics colocou Lara em perigo contra sua vontade, abandonando-a em uma ilha estranha com segredos ainda mais estranhos. Dessa forma, em Rise of the Tomb Raider, ela está enfrentando a briga no seu próprio ritmo, buscando a chave para a vida eterna.

Se essa premissa parece “banal”, é compreensível. O Santo Graal concede o mesmo poder em Indiana Jones e The Last Crusade. Nathan Drake, um colega mais apto e recente, passou o Uncharted 2 caçando a Árvore da Vida.

50%Foto: Reprodução/Gamespot

No entanto, o game ancora a história de Lara com seus próprios personagens críveis e peso emocional. Lara se recusa a reconhecer a morte de seu pai, optando por buscar a Fonte Divina, o objeto que poderia afastar a morte – e a dor – para todo o sempre. Até os vilões têm razões convincentes para perseguir o poder sobrenatural. No entanto, a Crystal Dynamics não usa a magia como muleta para contar histórias. Ela injeta elementos místicos de uma maneira que faça sentido no mundo que eles ocupam. Desde o início, o jogo prepara você para isso e mantém uma subcorrente sutil por toda parte.

Jogabilidade e exploração

E como um jogo de aventura em terceira pessoa, o Rise of the Tomb Raider é excelente. Em vez de colidir, a jogabilidade e a história compartilham o espaço, complementando-se e emergindo como um todo coeso.

Rise of the Tomb Raider – Foto: Reprodução/Gamespot

Como seu antecessor, Rise of the Tomb Raider coloca você em um mundo expansivo, cheio de soldados inimigos. No entanto, não é uma caixa de areia – as áreas subsequentes são bloqueadas por desbloqueios de habilidades. Dessa forma, novos itens abrem novas zonas no vale, mas também permitem explorar as áreas anteriores com mais detalhes. Voltando aos ambientes mais antigos, você pode se aventurar fora do caminho batido em busca de habilidades úteis, como a Castlevania ou Metroid. Agora, mais do que nunca, você tem um território que vale a pena explorar.

Várias áreas de Rise of the Tomb Raider são zonas de hub aberto, repletas de recursos, missões secundárias de NPCs e passagens secretas. Passei quatro horas em uma remota vila na montanha, procurando em todas as cavernas e escalando cada penhasco na esperança de encontrar minha próxima “atualização”. Não há muito enchimento aqui. É mais uma estrutura em cascata, onde cada ação leva a mais possibilidades, o que leva a ainda mais, e assim por diante.

Voltar para áreas antigas também é gratificante. Ele destaca o quanto Lara melhorou desde a última vez que pisou lá. Além disso, também dá uma sensação de propriedade sobre o meio ambiente – no final, eu sabia exatamente onde estava aquela caverna onde não podia entrar sem as flechas da corda. Ao viajar rapidamente para a fogueira mais próxima, obtive acesso, adquiri a próxima peça da espingarda automática e estava um passo mais perto de construir uma nova arma para o meu inventário.

Estilos de jogos

No interesse de construir Lara para se adequar ao seu estilo de jogo único, o Rise of the Tomb Raider incorpora três árvores de habilidades: caça, brigas e sobrevivência. Cada um contribui para seus respectivos campos de maneiras díspares, tornando certos aspectos do jogo menos desafiadores ou mais recompensadores. Um permite que Lara atire duas flechas de cada vez, por exemplo. Outro lhe concede mais munição ao saquear cadáveres inimigos. A grande variedade de habilidades funciona bem porque cada uma delas vale a pena. Persegui-los adiciona outra camada em um sistema já matizado.

Rise of the Tomb Raider – Foto: Reprodução/Gamespot

Há também mais túmulos reais do que no jogo de 2013. Essas catacumbas opcionais também valem o seu tempo, tanto pelas recompensas quanto pelos quebra-cabeças de Rube Goldberg que eles apresentam. Dessa forma, você altera os níveis de água, opera polias e quebra barreiras geladas, enquanto trabalha para melhorar as habilidades de escalada, caça e luta de Lara. Eles são o tipo de quebra-cabeças que fazem você se sentir inteligente, como se você tivesse frustrado o desenvolvedor Crystal Dynamics no processo.

Cenários e sobrevivência

E quando presa no deserto com poucos suprimentos e pouco nas costas, Lara confia na natureza para sobreviver. Infelizmente, esse aspecto se torna tedioso após um curto período de tempo. Ele se transforma em um processo constante de pressionar o mesmo botão em árvores e arbustos idênticos e coelhos mortos repetidas vezes. Rise of the Tomb Raider é impressionante, mas muitas vezes eu me distraí com a abundância repetitiva de recursos espalhados pela tela de outra maneira bonita.

Mas reunir é parte do processo geral de melhoria e faz sentido na paisagem hostil que Lara percorre. E é aqui que brilha o Rise of the Tomb Raider. O Crystal Dynamics apaga barreiras entre a jogabilidade e a história, criando uma experiência quase perfeita no processo.

História

Ao longo do jogo, as cenas são sucintas, mas não sem substância. Dessa forma, eles não elaboram a narrativa com monólogos e aparatos grandiosos, mas ainda conseguem construir caráter e estabelecer tom. Os vilões, apesar de suas crenças megalomaníacas, têm intenções pessoais. Lara, com sinais claros de transtorno de estresse pós-traumático, está um tanto estragada e mostra nas palavras dela: “Não desacelerei o suficiente para perguntar se isso é real”.

Há uma história trágica, angustiante e edificante em jogo aqui, e Rise of the Tomb Raider conta a história com detalhes. É assim que os olhos de um personagem caem no chão. É como os dedos de Lara sufocam o punho da pistola. Ela aquece as mãos sobre os fogos, treme quando o vento aumenta e desliza os pés por entre as mais altas pilhas de neve. Se os detalhes dão vida a uma história, Rise of the Tomb Raider é tão vital quanto possível. Há exposição suficiente para fornecer um contexto significativo, mas não o suficiente para atrapalhar.

Rise of the Tomb Raider – Foto: Reprodução/Gamespot

Combate

E quando se trata de combater, o jogo é excelente. A variedade de opções disponíveis em um determinado tiroteio é impressionante. De fato, esses encontros geralmente parecem mais quebra-cabeças. A certa altura, Rise of the Tomb Raider inicia uma batalha em um lago congelado. Oito guardas com armaduras pesadas representam um sério desafio, mas usando a água, vários buracos no gelo e as armas à minha disposição, eu pude equilibrar as probabilidades. Foi um encontro tão envolvente que recarreguei meu posto de controle apenas para reproduzi-lo novamente. Este jogo está cheio de chances para você experimentar.

Optei por discrição quando podia, esperando que um soldado solitário se desviasse da manada antes de derrotá-lo ou enviando flechas em franco-atiradores à distância. Objetos ambientais me ajudaram o tempo todo, pois as habilidades de artesanato de Lara a deixavam fabricar molotovs e latas de estilhaços a qualquer momento. É apenas outra maneira de Rise of the Tomb Raider pintar Lara como engenhosa. Podemos dizer que ela é uma sobrevivente.

Dificuldade

Existem ligeiros picos de dificuldade no final do jogo, mas se você já explorou o suficiente e gastou seus recursos suados em novas ferramentas, a luta será desafiadora, mas não excessivamente. Como no resto do jogo, também há equilíbrio no combate. A Crystal Dynamics encontrou equilíbrio em quase todos os aspectos.

O primeiro tiro de Rise of the Tomb Raider se espalha pela vasta e agourenta paisagem que conheceremos em breve. De muitas maneiras, funciona como uma promessa da Crystal Dynamics: há grandes coisas pela frente. E no final da jornada de Lara, depois que a vimos nessa aventura e experimentamos tudo o que o mundo tem a oferecer, fica claro que a promessa foi cumprida.

Disponível para Xbox One, PC e PS4

Embora o game tenha começado sua vida útil no Xbox One, ele também possui um “lar” no PC. E depois de passar várias horas com o título da Crystal Dynamics em sua nova plataforma, apenas pequenas diferenças foram aparentes. A iluminação é melhor, especialmente em ambientes escuros, onde as sombras brincam nas paredes e Lara rasteja por cavernas glaciais. As texturas são um pouco mais detalhadas, desde as pegadas na neve da Sibéria até as folhas em seu antigo vale. E enquanto a taxa de quadros gaguejou várias vezes durante explosões de cenas e cortes rápidos na câmera, eles não foram frequentes o suficiente para atenuar a experiência cinematográfica.

Rise of the Tomb Raider também já está disponível na PlayStation 4 na forma de edição de comemoração de 20 anos. Mesmo agora, é um jogo muito bom e que envolve os seus jogadores. O deserto da Sibéria é tão detalhado e deslumbrante quanto no Xbox One, e também não há muitas diferenças nas nuances dos personagens. Além disso, a Celebração dos 20 Anos também concede acesso ao DLC de Rise of the Tomb Raider, incluindo a seção Croft Manor e o modo Endurance, adições que realçam a história de Lara e o deixam na natureza para se defender, respectivamente. Dessa forma, depois de “tanto tempo”, Rise of the Tomb Raider ainda é uma jornada que vale a pena seguir.

Fonte: Gamespot

Gostou? O que achou? Já jogou Rise of the Tomb Raider? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar na imagem azul que está abaixo!