Domingo, 18 de Novembro de 2018
Home Notícias

UE forçou e o Google pode ter liberado um Android da Microsoft

16/10/2018 8467 0
UE forçou e o Google pode ter liberado um Android da Microsoft

O Google está mudando a maneira como licencia seu conjunto de aplicativos Android na Europa, levando a empresa a cobrar uma taxa de licenciamento pela Play Store e outros aplicativos do Google pela primeira vez.

As mudanças vêm em resposta a uma decisão de julho da Comissão Européia, que multou a empresa em US $ 5 bilhões por violações antitruste e ordenou que ela parasse de “amarrar ilegalmente” o Chrome e Pesquisa do Google no Android.

Historicamente, o Google não cobra pelo Android e seu aplicativo devido à receita obtida com o Chrome e a pesquisa. Mas, dividi-los muda a equação, para que as empresas agora paguem por coisas, como: a Play Store – que geralmente consideramos ser partes centrais do Android, mas, que na realidade são serviços do Google.

Então é isso que o Google está fazendo. O sistema operacional Android básico permanecerá gratuito e de código aberto, mas, se os fabricantes de telefones e tablets quiserem os aplicativos do Google e a Play Store, eles terão que pagar uma taxa de licença na Europa. E agora eles poderão licenciar o Google Chrome e a Pesquisa separadamente, em vez de serem obrigados a aceitar tudo como um pacote.

A novidade é que agora, as empresas poderão licenciar e instalar os apps da Play Store e do Google em versões bifurcadas do Android, algo que o Google costumava proibir.

“Como a pré-instalação da Pesquisa do Google e do Chrome junto com nossos outros aplicativos nos ajudou a financiar o desenvolvimento e a distribuição gratuita do Android, apresentaremos um novo contrato de licenciamento pago para smartphones e tablets enviados para a [Área Econômica Européia]”, disse Hiroshi Lockheimer, que lidera o Android.

Lockheimer esclarece que o Android continuará sendo gratuito e de código aberto – essas mudanças afetam apenas os serviços do Google que são tradicionalmente integrados ao sistema operacional. E as empresas podem optar por enviar um dispositivo sem os aplicativos e serviços do Google, se não quiserem pagar, como a Amazon faz há muito tempo e como já acontece na China, onde o Google não opera.

No entanto, é provável que a Play Store mantenha os fabricantes de telefones e tablets conectados ao Google, pois é onde os usuários podem acessar a grande maioria dos aplicativos para Android. E como não há como obter a Play Store e os aplicativos do Google na Europa sem pagar a taxa de licença, é provável que o custo seja repassado aos consumidores na forma de preços mais altos para dispositivos.

Dito isso, o Google está apelando da decisão da Comissão Européia. Por fim, não é necessário dividir o Android, o Chrome e a pesquisa. Mas, por enquanto, tem que cumprir com a decisão da comissão. O Google vai colocar essas mudanças em prática a partir de 29 de outubro.

Para relembrar:

Em julho, a Comissão Européia multou o Google em € 4,34 bilhões ou agora seguindo as regras antitruste da UE. De acordo com a CE, o Google impôs restrições ilegais a fabricantes e operadoras de redes móveis para manter sua posição dominante em buscas e outros serviços.

Embora o Google esteja recorrendo da decisão, a empresa precisa cumprir a orientação da UE para remediar os abusos, que incluem:

  • Exigir que os fabricantes pré-instalem o aplicativo Google Search e o navegador (Chrome), como condição para licenciar a loja de aplicativos do Google (a Play Store);

  • Efetuar pagamentos a determinados grandes fabricantes e operadoras de redes móveis, desde que eles pré-instalem exclusivamente o aplicativo de pesquisa do Google em seus dispositivos; e

  • Impedir que os fabricantes que desejam pré-instalar os aplicativos do Google vendam até mesmo um único dispositivo móvel inteligente que esteja sendo executado em versões alternativas do Android que não foram aprovadas pelo Google (os chamados “forks do Android”).

O mais importante desta notícia é que os OEMs poderão licenciar o pacote de aplicativos para dispositivos móveis do Google separadamente do Google Search ou do navegador Google Chrome, o que significa que as empresas poderão enviar aparelhos Android com a pesquisa do Bing e o navegador Edge da Microsoft para Android como padrão, enquanto ainda vão ter acesso à todos os apps do Google via Google Play Store.

Lumia 950, Lumia 950 XL e Lumia 550

Vamos usar a imaginação um pouco?

Esta notícia permitiria que a Microsoft, legalmente, pudesse lançar, por exemplo, um smartphone com Android, Live Tiles, Pesquisa do Bing como padrão, navegador Edge mais todos os aplicativos da Google Play Store em seu aparelho personalizado. Basta pagar o licenciamento dos serviços para o Google.

O retorno do Windows Phone, agora com aplicativos? Será?

Façam suas apostas!

Fonte: The Verge / MSPU / Google

 

Compartilhe:

Comentários: